Translate this Page

Partilhe esta Página


A Verdade sobre o Ecstasy
A Verdade sobre o Ecstasy

O ecstasy é ilícito.

A Agência Antidrogas Americana o classifica como uma droga de Tabela I, uma descrição reservada para substâncias perigosas e sem uso medicinal reconhecido. Outras drogas de “Tabela I” incluem a heroína e o LSD. No Brasil, o inciso XLIII do art. 5 da Constituição Federal estabelece que o tráfico de entorpecentes constitui crime inafiançável, podendo levar a até 40 anos de prisão. Tanto para o ecstasy como para qualquer droga ilícita.

Tragicamente, hoje em dia o ecstasy é uma das drogas mais populares entre os jovens. O Departamento das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes calcula que há mais de 9 milhões de usuários no mundo todo. A grande maioria são adolescentes ou adultos jovens.

Misturado com álcool, o ecstasy é extremamente perigoso e, de fato, pode ser mortal. O dano causado por esta “droga da moda” é tão grande que as ocorrências nos prontos-socorros subiram mais de 1.200% desde que o ecstasy se tornou a “droga de balada” preferida nas “raves” e casas noturnas.

VOCÊ QUER MESMO UMA BALADA?

Nikki era como muitos que iam para a balada. Na esperança de escapar dos problemas e estar numa boa, ela planejou divertir-se na noitada com vários amigos. Um deles tinha uma garrafa de ecstasy líquido no carro, então todos decidiram tomar. Logo a droga começou a fazer efeito. Nikki dançava e dançava e dançava, ultrapassando os seus limites normais. Como um de seus amigos disse mais tarde em um relatório da polícia: “Nikki não estava sentindo nada.”

Na manhã seguinte Nikki estava morta. A causa: envenenamento por drogas (ecstasy).

“Mas isso não vai me acontecer”, você pensa. Talvez não, mas você quer mesmo arriscar?

“Numa rave, vi um cara que tinha se enchido de ecstasy repetir durante horas: ‘sou uma laranja, não me descasquem. Sou uma laranja, não me descasquem.’ Outro cara achava que era uma mosca e não parava de bater com a cabeça contra uma janela.” — Liz

CONSEQUÊNCIAS DO USO DE ECSTASY

O ecstasy abafa os sinais naturais de alerta dados pelo corpo. Como resultado, depois de tomar a droga, um indivíduo está arriscado a ultrapassar os seus limites físicos e sua capacidade de resistência. Por exemplo, uma pessoa sob efeito de ecstasy pode não perceber que ultrapassou a temperatura normal do corpo e pode desmaiar ou mesmo morrer de ataque cardíaco.

Um estudo feito pelo Centro de Pesquisa para Trabalho Social da Universidade do Texas descobriu que os efeitos a longo prazo do ecstasy relatados com mais frequência incluíam depressão e uma menor capacidade de concentração. Os pesquisadores descobriram também que o uso repetido de ecstasy está associado com perturbações de sono, humor e ansiedade, tremores ou espasmos e problemas de memória.

“Com muita sorte, estou viva, mas ficaram marcados na minha memória os dias, meses e anos após o trauma. Tenho de lidar com o que me aconteceu para o resto da minha vida... Usava de tudo. Algumas das coisas que me afetaram depois de tomar ecstasy foram depressão, ansiedade, stress, pesadelos [recorrentes] e dores de cabeça graves. Eu quase morri. Bastou uma noite, alguns comprimidos [de ecstasy] e beber álcool. Esta droga é muito fatal, e estou muito agradecida por estar viva. Não consigo descrever como é difícil lidar com estes pesadelos o tempo todo. Acordo com suores só agradecendo a Deus, agradecida por ser só um pesadelo. Rezo para que os pesadelos desapareçam com o tempo... Nenhuma droga vale uma ‘viagem’ ou um ‘barato’.”  — Megan

Clique aqui para ver todos os detalhes e estatisticas do site

 

topo